Entenda por que as pessoas estão fazendo curso de segurança para conseguir emprego

Atualmente, muita gente está em busca de um curso de segurança. O motivo é simples: o mercado de trabalho tem aberto portas diariamente para esses profissionais. Eles podem atuar em várias áreas da segurança de pessoas, patrimônios e lugares.

Os salários também estão se atualizando, sendo que há vários formatos de trabalho, dos prestadores de serviços até os contratados com as leis trabalhistas. Para conhecer tudo sobre esse mundo, esse mercado e essa profissão, continue lendo.

ANÚNCIO
Foto: (reprodução/internet)

Para uma melhor leitura, saiba que o texto está dividido assim:

  • O que é o vigilante;
  • A profissão de vigilante;
  • O curso de vigilante;
  • Qual é o valor do curso de segurança.

O que é o vigilante

O mais comum é que o curso de segurança forme profissionais para atuar como vigilantes. Mas, o que fazem essas pessoas? No trabalho, eles são responsáveis por realizar segurança física de pessoas, de bens de valores, de eventos, de áreas, de estabelecimentos, etc.

Foto: (reprodução/internet)

Logo, ele poderá executar funções como empregado da empresa especializada em segurança ou até mesmo sendo um prestador de serviços orgânico do lugar. Há ainda uma forma de contratação direta por parte dos interessados.

O fato é que, para todo caso, ele tem que atuar mantendo a integridade do ambiente, seja de pessoas, de objetos ou de ambientes. Agora, o ponto interessante é avaliar que são vários cursos de vigilantes, logo, várias funções que o profissional poderá executar, veja abaixo.

Os tipos de vigilantes

Hoje em dia, os vigilantes se dividem em categorias. Por exemplo, o mais procurado é o trabalho de vigilante patrimonial. Ele atua em eventos sociais ou dentro de estabelecimentos. Tem o vigilante de transporte de valores, que tem salário maior.

Aí vem o vigilante da Escolta Armada, que garante o transporte de cargas de valor. Além do segurança pessoal privado, que atua diretamente com pessoas. A lista de tipos de vigilantes é muito maior e passa por funções que pouca gente sabe que existem.

Por exemplo, existe o vigilante que é condutor de animais, o vigilante que é condutor de veículos, o vigilante balanceiro, o vigilante brigadista, o vigilante líder e o vigilante operador de monitoramento eletrônico, entre outros tipos de vigilantes. 

A profissão de vigilante

Outro detalhe muito importante e que explica porque esse profissional está ganhando mais mercado tem a ver com a regulamentação da profissão de vigilante. Saiba que ela está toda embasada na Lei 7.102 de 1983. Ou seja, existe há bastante tempo. 

Foto: (reprodução/internet)

Mas, o que diz a lei do segurança? Ela tem vários critérios e instruções para quem quer executar o exercício da profissão. Por exemplo, traz opções de cursos de formação, requisitos básicosas, especializações e atualizações, além de registros, direitos e deveres.

O que não diz, para tanto, é sobre a vocação. Mas, quem atua na área garante que esse pode ser um diferencial. Afinal, é sobre se envolver em riscos inerentes as atividades. Para muita gente, esse trabalho também é a realização pessoal e profissional. 

Os requisitos para ser vigilante

Abaixo, a gente vai mencionar um pouco mais dos requisitos para fazer o curso de formação de vigilante. Mas, antes disso, vamos saber: será que qualquer pessoa pode entrar nessa profissão? Na verdade, alguns requisitos são obrigatórios.

Por exemplo, ter mais do que 21 anos, ser brasileiro ou naturalizado, ter completado a 4ª série do ensino fundamental, ter o curso de formação, passar em exames de saúde e psicológicos, ter a idoneidade comprovada, estar em dia com as obrigações e com CPF ativo.

A partir disso, a pessoa pode começar a trabalhar, desde que seja contratada. Ou seja, o curso de formação é um requisito básico para atuar como vigilante. Por isso, vamos falar com mais detalhes sobre o curso de segurança, que é o nome mais comum hoje em dia.  

O curso de vigilante

O curso de formação de vigilante é para capacitar pessoas para trabalhar nessa função. Ele envolve aulas teóricas e práticas para atuação em setores públicos e privados. O curso tem duração variável, que pode ser de semanas ou anos. 

Foto: (reprodução/internet)

O que se recomenda, a partir de informações da Polícia Federal, é a aprendizado de atividades de segurança que devem reguladas. Então, os cursos possuem métodos, técnicas e formas de ensinar que são focados na segurança de pessoas e patrimônios. 

Isso ajuda a entender a grade curricular do curso de segurança: sistema de segurança pública, primeiros socorros, prevenção de combate a incêndios, vigilância, segurança privada, criminalística, defesa pessoal, legislação, gerenciamento de crises, tecnologias, etc.

Onde fazer o curso de vigilante

Essa é uma boa pergunta e tem uma ótima resposta: várias empresas. Essas empresas são, na verdade, escolas de formação. E elas focam em ensinar os profissionais sobre esse mercado de trabalho, que é cada vez mais solicitado por pessoas e instituições. 

Em termos nacionais, dentro do Brasil, grandes escolas de formação são: Academia Scorpions, Emforgivil, Formusseg, Uzil, Security, Academia Figueira, Horem, K9, entre muitos outros. Uma boa ideia é pesquisar as alternativas na sua região.

Só que tem um detalhe a mais: recentemente foi lançado o curso de formação de vigilantes online, acredita? Sim, dá para estudar de casa (em uma parte da grade). Esse curso EAD de vigilante permite outras vantagens, como o fato de ter preço mais acessível. 

Qual é o valor do curso de segurança

Atualmente, essa pergunta pode ser respondida com várias faixas de preços. Afinal, há muitos detalhes que importam, como a organização que oferece o curso, a grade curricular, as aulas práticas, a região do país e muito mais. 

Foto: (reprodução/internet)

De todo modo, leve em conta que as escolas de formação de seguranças costumam cobrar uma média de R$ 600 por seus cursos. A maioria possui uma carga horária de 20 dias de curso em período integral ou 40 dias em horário noturno. Já o curso técnico dura 2 anos.

Também é importante considerar que atualmente existem várias nomenclaturas para esse curso de segurança. Por exemplo, curso de formação de vigilante ou curso de segurança patrimonial, no qual cada um possui as suas especificações e características. 

Vale a pena fazer o curso de segurança

O valor do investimento se torna atrativo, especialmente, para quem já está empregado e quer ter esse conhecimento mais especifico da profissão. Além do fato de que pode ser uma porta de entrada para quem está em busca do primeiro emprego.

A explicação vem do fato de que um vigilante pessoal pode ganhar R$ 1,5 mil no mês, o que é a média no Brasil. Enquanto que os mais experientes, que podem ter salários mais altos após os cursos de segurança, podem ter salários um pouco maiores, perto de R$ 2 mil no mês. 

Ainda considerando a opção de ter o curso para conseguir um novo emprego, saiba que os requisitos para estudar, em escolas de formação como o Grupo Souza Lima, são de 21 anos e o ensino primário. Além disso, também é necessário estar com as obrigações civis em dia.

Outros cursos para vigilantes que visam um plano de carreira

Além do curso básico de vigilante que falamos acima, o segurança que quer crescer na carreira pode fazer outros cursos. Isso permite o aumento de salários, por exemplo. Vamos a um exemplo: o curso de bacharel ou tecnólogo na área da segurança pública.

Foto: (reprodução/internet)

Essa é uma opção bem legal para quem quer atuar no campo da política, da investigação, da negociação, da Inteligência ou do gerenciamento de crises. Eles duram 4 anos e tem um preparo profissional bastante focado no mercado de trabalho.

Entre as disciplinas oferecidas estão: legislação, direitos humanos, administração, gerenciamento de crises, defesa civil e assim por diante. Hoje em dia, várias instituições oferecem esse curso, inclusive, no formato a distância e com reconhecimento do MEC.

Como ganhar mais sendo vigilante

A partir desse tipo de estudo e especialização, o profissional da segurança pode começar a ter melhores salários. Há histórias no Brasil de trabalhadores que ganham entre R$ 3 mil e R$ 20 mil para fazer esse tipo de segurança política, o que é até 10 vezes do que a média nacional.

No entanto, é importante reconhecer que para se chegar nesse sucesso financeiro da profissão é preciso ter diferenciais, que partem dos estudos. Além dos cursos, também vale a pena se atentar a outro assunto que pode ser determinante nessa hora: a tecnologia.

Hoje em dia, com tantas tecnologias possíveis, leve em conta que vai se manter mais bem indicado para as vagas de emprego aqueles que reconhecerem e saberem usá-las. Então, outra forma de conseguir esse sucesso é se mantendo atualizado com o assunto.

Os direitos e os deveres do vigilante

Antes de terminar a leitura, considere que o profissional deve exercer o seu trabalho a partir das regras da profissão. Também deve ter uma boa comunicação e usar uniformes durante o serviço. Há ainda peculiaridades para cada tipo de atuação, como da Escolta Armada.

Do lado dos direitos dos seguranças, saiba que isso vai depender do formato de trabalho. Porém, considere que os treinamentos regulares e a possibilidade de benefícios trabalhistas, como seguros de vida, auxílios e até mesmo o porte de arma, quando necessário.

ANÚNCIO