Diabetes: Inicial, Tipo 1, Tipo 2 e Gestacional.

Diabetes: Inicial, Tipo 1, Tipo 2 e Gestacional.

Pesquisas comprovam, que hoje no Brasil, há cerca de 13 milhões de pacientes em tratamento de diabetes de algum tipo, número que representa praticamente 7% da população brasileira, e este número vem só crescendo, segundo pesquisas feita pela federação internacional de diabetes, no ano passado havia pelo menos 425 milhões de adultos com a doença em todo o mundo, e revela ainda que 1 a cada 2 pessoas não sabem que são diabéticas.

Na maioria das vezes o diagnóstico demora, o que favorece ao aparecimento de complicações, pode ser que você tenha a doença, ou talvez algum familiar e por isso você deve conhecer a doença e aprender a conviver com ela. Continue lendo esse artigo e veja a seguir tudo sobre essa assunto!

O que é?

Também conhecida por Diabete Sacarina e Diabetes açucarado, a Diabetes Mellitus, é uma doença crônica, metabólica e de origem múltipla, podendo ter vários motivos do seu aparecimento.

Ela é caracterizada pela falta de insulina no sangue, ou ainda a incapacidade desta insulina realizar adequadamente seus efeitos, em ambos os casos isso ocasiona o aumento de açúcar no sangue, o que implica em várias complicações a pessoa.

O pâncreas que é o orgão responsável pela produção da insulina, muitas das vezes não a produz em quantidade ideal para suprir as necessidades do corpo humano, e isso faz com que o açúcar fique livre na corrente sanguínea, sendo administrada parte para a energia, e outra parte (excesso) seja armazenada no sangue.

Ou ainda o pâncreas até cumpri com sua função e realiza a produção de insulina em quantidade ideal, porém esta mesma insulina não é capaz de agir no corpo humano, o que chamamos de resistência a insulina.

Sucintamente explicando, a doença se dá pelo excesso de açúcar no sangue, ocasionado pela falta ou incapacidade de ação da insulina.

Tipos de diabetes

A Doença é classificada em grupos, diabetes inicial, gestacional, e as mais conhecidas e encontradas, as diabetes tipo 1 e tipo 2. Veja a seguir as características de cada tipo:

Tipos de diabetes

Diabetes tipo 1

Na maioria dos casos do tipo 1, a pessoa já nasceu com a doença, tendo assim sua origem genética, este tipo se caracteriza pela incapacidade de produção de insulina pelo pâncreas, em função de defeito no sistema imunológico que ataca a própria célula responsável pela produção de insulina pelos anticorpos.

Normalmente este tipo de diabetes atinge mais crianças e jovens, mas poderá aparecer em qualquer faixa etária, 5 a 10% dos pacientes com diabetes possuem a tipo 1.

Veja abaixo alguns sintomas do diabetes tipo 1:

  • Fraqueza;
  • Fome em excesso;
  • Sede;
  • Cansaço excessivo;
  • Emagrecimento sem motivo aparente.

Caso o paciente com diabetes tipo 1 não receba tratamento adequado a tempo, ele poderá evoluir para um quadro mais severo, o chamado Cetoacidose Diabética onde necessita até mesmo de internação para tratamento.

Diabetes inicial e tipo 2

Diabetes inicial é quando a pessoa já tem uma pré disposição para desenvolver o diabetes tipo 2, como se fosse um estado entre saudável e diabético tipo 2.

Já a diabetes tipo 2 é tratada a partir de medicamentos orais e injetáveis, sendo caracterizada pela resistência a insulina, ou seja, o pâncreas produz a insulina, porém o corpo não a aceita, tendo sua ação incapaz de surgir efeito.

Ao contrário da tipo 1, a tipo 2 está diretamente ligada a obesidade, que associado a falta de atividades físicas e ao consumo exagerado de gordura e carboidrato, ocasiona este quadro.

Diabetes inicial

Como diagnosticar

O diagnóstico poderá ser realizado por um endocrinologista ou até mesmo um clinico geral, que poderá solicitar 3 tipos de testes diferentes sendo eles:

Glicemia em jejum

É um exame bem simples, é retirada uma gotinha de sangue do paciente em jejum e mede a quantidade de glicose no sangue naquele momento, caso acuse mais de 100mg/dL de glicose em jejum o médico irá iniciar uma investigação para o diabetes.

Hemoglobina glicada e curva glicêmica

A hemoglobina glicada irá medir as taxas de glicose no sangue dentro de um período de 3 meses, já a curva glicêmica irá realizar a contagem de tempo que o organismo demora para digerir certa quantidade de açúcar, e aparti deste tempo irá pegar valores de referências para o diagnóstico.

Como tratar

Não há cura para a diabetes, no entanto se tratada a pessoa poderá viver relativamente bem com a doença, seu tratamento consiste em:

  • Medição periódica da glicemia
  • Injestão de remédios nos horários adequados
  • Fazer atividades físicas
  • Controle da dieta

Diabetes gestacional

Diabetes gestacional tipo 1

Na gestacional há um aumento excessivo de açúcar no sangue, exclusivamente no período de gestação, se normalizando após o parto.

Normalmente não causa nenhum dano ao bebê, mas se não tratada no período gestacional poderá acarretar no surgimento de diabetes tipo 2 na mãe anos depois.

Especialista diz que a doença tem cura! Veja todos os detalhes. Vale apenas assistir.

Ficou alguma dúvida? Deixe um comentário que nós responderemos em seguida!

Posts Relacionados

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.